Domingo, 7 de Setembro de 2008

A arca de Noé existiu?

Segundo a Bíblia, Noé recebe ordens de Deus para construir uma nau com 150m de comprimento, 25 de largura e 15 de altura, com 3 andares e 5m de altura cada um. Trata-se de medidas enormes, pois são as de um transatlântico moderno, que nunca foi conseguido pela engenharia antes do século XIX. Por outro lado, o relato situa-se na pré-história, quando ainda não se conhecia o uso dos metais. Como é que o trabalho de Noé, dos seus 3 filhos e das suas esposas poderia ter construído um navio destas dimensões e sem usar instrumentos metálicos? E como juntar um par de cada espécie existente na terra, para as salvar da extinção? Calcula-se que, nessa época, as espécies de mamíferos seriam 15.000, as das aves 25.000, as de répteis 6.000, as de anfíbios 2.500 e mais de 10 milhões de insectos, para além de 5 a 10 milhões de espécies animais por identificar, ocultas nos gelos polares, nas selvas tropicais ou por baixo das areias dos desertos. Carregar a arca com toda esta bagagem era uma tarefa impossível para os viajantes. E como é que 8 pessoas poderiam alimentar, dar de beber, limpar e cuidar de tal quantidade de animais? Além disso, como é que o planeta se poderia repovoar com apenas um par de cada espécie, quando os ecologistas sustentam que uma espécie está extinta quando se limita a poucas centenas de exemplares? Problemas similares a estes podem ser encontrados se reflectimos sobre a chuva ininterrupta que durante 40 dias e 40 noites (Gn 7,17)  levou a que as águas subissem 7metros acima dos montes mais altos da terra (Gn 7,19-20) ou ao pensarmos como se salvariam as plantas (o relato nada diz sobre elas) ou os peixes...

 

A Bíblia não pretende dizer que o dilúvio foi um facto histórico. Possivelmente terá havido algum dilúvio ou grandes inundações durante a antiguidade, mas não universais a ponto de destruir todo o tipo de vida, como o descreve a Bíblia.

 

Na época, todos os destinatários destes relatos sabiam que o que se contava não era histórico, pois as linguagens e as imagens usadas faziam os leitores compreenderem que não era uma crónica jornalística mas uma narrativa didáctica, para ensinar uma mensagem religiosa.

 

Que mensagem encerra o episódio do Dilúvio Universal?  Este relato mostra que o dilúvio aconteceu por culpa dos pecados do homem, que ao acumularem-se sobre a terra, corromperam-na e provocaram a catástrofe, regressando-se ao caos anterior à Criação. Quer dizer, toda a ordem estabelecida por Deus ao criar o mundo pode ser destruída e anulada pela irresponsabilidade dos homens. Mas, entre toda a gente malvada há um justo; - Noé - e Deus toma a decisão de destruir os homens e salvar Noé, pondo-o antes à prova: ordena-lhe que construa uma grande embarcação, em pleno deserto, sobre terra firme, sem lhe dizer para quê e diz que se meta dentro dela e aguarde. Imagine-se o pobre Noé exposto às zombarias dos seus contemporâneos, a quem não sabe dar outra explicação, a não ser que fora Deus quem lho ordenara e ele apenas obedecia. Deste modo, é-nos mostrada, assim, a fé e submissão deste homem, obediente em tudo e que, ao longo de 4 capítulos do relato, nunca pronuncia uma única palavra.

 

Além disso, é Deus quem indica as medidas da arca, o material e até a maneira de construir, quer dizer, aquele que constrói a sua vida com as medidas de Deus, sempre sobreviverá a qualquer tempestade. Quem não der ouvidos à Sua voz, afogar-se-á.

 

 (Adaptado de VALDÉS, Ariel Álvarez - Que sabemos da Bíblia?Apelação: Paulus, 1997

publicado por ssacramento às 10:27
link do post | comentar | favorito
|

.Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Visite Pão e Vida

Visite Casa-Acolhimento Santa Marta

.Fuego Santo

.subscrever feeds

.pesquisar

 

.Visite

.posts recentes

. Maria...

. Mãe admirável

. Apóstolos S. Pedro e S. ...

. A boca do justo proclama ...

. Um "novo humanismo"

. Isabel e Maria

. Solenidade de S. João Bat...

. Eu vos dou graças, Senhor...

. Não perca hoje na nossa p...

. Os pais de Maria

. Não podemos aceitar que o...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

. Jesus fala aos meninos da...

. A Igreja Católica e o Ano...

. Educação Moral e Religios...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

.arquivos

. Dezembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Counters
Free Counter
blogs SAPO