Domingo, 31 de Maio de 2009

Tal como os discípulos também nós...

O livro dos Actos dos Apóstolos tem em si uma teologia universalista, alicerçada na salvação trazida por Jesus não só para os judeus mas para toda a humanidade. A  Palavra de Jesus, o Mestre, é levada pelos discípulos desde a periferia do Império Romano até ao seu centro nevrálgico: Roma.

 

Frei Herculano Alves, na Revista Bíblica, diz-nos que o objectivo de Lucas é mostrar-nos que o crescimento da Palavra se realizou de geração em geração, fazendo uma analogia à corrida dos 4 x 100 metros, em que se vai entregando o testemunho sempre "em boas mãos".

 

Também hoje o cristão tem responsabilidades acrescidas. Deve pautar a sua vida diária por dar testemunho de Cristo e fazer com que a sua Palavra continue a crescer.

 

 

(Adaptado da Revista Bíblica - Maio/Junho 2009)

publicado por ssacramento às 23:40
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 30 de Maio de 2009

Missão 2010

28 de Maio de 2009. O auditório de Vilar transbordava de calor humano. A diocese Portucalense estava ali. Já se viam muitas pessoas de pé e sentadas nos corredores de acesso aos lugares individuais.

 

A frase "Da Evangelização feita à Evangelização a fazer" já dominava e pairava no auditório, suscitando alguma reflexão. As luzes apagaram-se e a apresentação da Missão 2010 deu lugar a uma primeira panorâmica da Evangelização, desde os primórdios da Igreja, passando pelo Bispo D.Hugo que deu o foral ao burgo do Porto, até à actualidade na diocese do Porto.

 

Esta viagem ajudou-nos a entrar nas propostas e nos desafios que a Missão 2010 nos coloca, de uma forma arrojada e ambiciosa, mas também de uma necessidade imperiosa, indo ao encontro do que um cristão responsável sentirá face às dificuldades do dia-a-dia, ajudando-o a viver em Cristo. Para isso precisamos de Anunciar Com Alegria, Com Paixão e Com Vida, aproveitando o exemplo de Maria e todos juntos em Festa, mesmo em tempo de Verão e férias, Entrarmos em Missão sob o signo da Esperança e deixar que a Luz nos toque.

 

A semente está pois lançada à terra. O terreno é fértil e não tem sombra. A nascente está cheia de "água viva". Só precisamos de o regar...!

 

Pode encontrar mais informações em http://www.diocese-porto.pt/ (Missão 2010) e no video disponível no YouTube

publicado por ssacramento às 23:50
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

O Deus da comunicação

A facilidade de acesso a telemóveis e computadores juntamente com o alcance global e a omnipresença da Internet criou uma multiplicidade de vias através das quais é possível enviar, instantaneamente, palavras e imagens aos cantos mais distantes e isolados do mundo: trata-se claramente duma possibilidade que era impensável para as gerações anteriores. De modo especial os jovens deram-se conta do enorme potencial que têm os novos «media» para favorecer a ligação, a comunicação e a compreensão entre indivíduos e comunidade, e usam-nos para comunicar com os seus amigos, encontrar novos, criar comunidades e redes, procurar informações e notícias, partilhar as próprias ideias e opiniões.

 

Desta nova cultura da comunicação derivam muitos benefícios: as famílias podem permanecer em contacto apesar de separadas por enormes distâncias, os estudantes e os investigadores têm um acesso mais fácil e imediato aos documentos, às fontes e às descobertas científicas e podem, por conseguinte, trabalhar em equipa a partir de lugares diversos; além disso, a natureza interactiva dos novos «media» facilita formas mais dinâmicas de aprendizagem e comunicação que contribuem para o progresso social.

 

Este desejo de comunicação e amizade está radicado na nossa própria natureza de seres humanos, não se podendo compreender adequadamente só como resposta às inovações tecnológicas. À luz da mensagem bíblica, aquele deve antes ser lido como reflexo da nossa participação no amor comunicativo e unificante de Deus, que quer fazer da humanidade inteira uma única família. Quando sentimos a necessidade de nos aproximar das outras pessoas, quando queremos conhecê-las melhor e dar-nos a conhecer, estamos a responder à vocação de Deus - uma vocação que está gravada na nossa natureza de seres criados à imagem e semelhança de Deus, o Deus da comunicação e da comunhão.

 

(Excerto da Mensagem do Papa Bento XVI  para o 43º Dia Mundial das Comunicações Sociais)

publicado por ssacramento às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

5 minutos com Deus

Preocupar-se com os outros, pensar nos outros, entregar-se aos outros, em linguagem cristã chama-se apostolado. E o apostolado não é uma matéria opcional para os cristãos, nem um objecto de luxo de que em absoluto se pode prescindir. Não seria necessário recorrer a palavras, se as nossas obras fossem um testemunho.

 

Não devemos esquecer que o homem não se salva se não se converter ele próprio em salvador dos outros; só se salvará, salvando. Diante do imenso trabalho que fica por fazer, é oportuno recordar o provérbio oriental: "Mais vale acender um fósforo do que maldizer a escuridão". Em vez de nos lamentarmos pelo muito que falta fazer, ou porque os outros fazem pouco, façamos nós alguma coisa, acendamos alguma luz para dissipar as trevas. O "salve-se quem puder!" não é cristão.

 

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

publicado por ssacramento às 23:48
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

"Boa educação" espiritual

No contacto com as pessoas, nas nossas relações sociais, é sinal de boa educação o estar atento a quem fala connosco, procurando ouvir, mostrando interesse, dialogando. Numa atitude cristã, porque o outro é Cristo, é um membro do seu Corpo Místico, é uma presença de Jesus, devo reforçar e sublimar essa atenção, essa escuta, procurando ouvir os outros com amor, com toda a delicadeza. Fazer no nosso interior um vazio para que o nosso interlocutor, os seus problemas, as suas dores ou alegrias, encontrem espaço dentro de nós e sejam acolhidos em amor.

 

Se alguém está a falar connosco e, apesar de externamente parecermos atentos, estamos a pensar no que sucedeu, ou nos planos do futuro, se o pensamento e o coração estão ocupados com outras coisas ou outras pessoas, não ouvimos, não amamos aquele que nos está a falar. Necessitamos de atenção total, por educação, por caridade, pelo direito que o outro tem em ser ouvido, como se não houvesse mais ninguém no mundo.

 

Mas se isto é verdade acerca das relações humanas, quanto mais o deve ser no que diz respeito a Deus. A oração implica esta absoluta intimidade, que nem sempre é fácil, mas que é imprescindível para o progresso interior. Sermos, pelo menos no tempo de oração, "bem educados" com Deus , ouvi-Lo e falar-Lhe na totalidade do nosso ser. Que nada, nem ninguém impeça esta intimidade.

 

 

(PEDROSO, Dário - Senhor, Ensina-nos a rezar. Braga: Editorial A.O., 1987)

publicado por ssacramento às 11:19
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Maio de 2009

O primeiro lugar

Vamos à oração, ao encontro com o Pai, sem deixar tanta coisa e tantas pessoas que nos  impedem a intimidade, o diálogo. Não nos deixamos a nós próprios e ao turbilhão de pensamentos, afectos e preocupações que nos assaltam e nos invadem.

 

Uma autêntica vida cristã implica a escolha totalitária de Deus, dando-lhe sempre e em tudo o primeiro lugar. Nada nem ninguém primeiro do que Ele. Ou damos a Deus o primeiro lugar ou não lhe damos o que merece e tem direito. Ele é o único Senhor, o Criador, o Pai, o Amor infinito e deve ser o primeiro na vida das suas criaturas, no coração dos seus filhos, na existência dos que são criados à sua imagem e semelhança.

 

A vida agitada, os afazeres e preocupações, os prazeres, as dores, dissipam-nos, perturbam-nos, afastam-nos d'Ele, levam-nos a não Lhe dar o primeiro lugar. Impõe-se uma conversão. É necessário que ao menos na oração, Ele seja o primeiro. Dar-lhe a primazia total e absoluta. Procurar negar tudo o resto, excluir tudo o que não é Ele.

 

 

(PEDROSO, Dário - Senhor, Ensina-nos a rezar. Braga: Editorial A.O., 1987)

publicado por ssacramento às 23:06
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Oração, verdadeira "escada" em direcção a Cristo

O homem sempre sonhou com a possibilidade de fazer comunicação directa entre a terra e o céu. Em algumas religiões e civilizações antigas ficaram vestígios dessa ânsia. E no Antigo Testamento encontramos o mesmo, por exemplo, na construção da torre de Babel. Episódio mais sugestivo é a descrição do sonho de Jacob, da escada que ligava o céu à terra, por onde subiam e desciam os anjos de Deus.

 

Com Jesus Cristo essa «escada» ficou construída e bem alicerçada. Ele desceu, tomando a nossa natureza humana e, na ascenção, foi a realidade da natureza humana que, assumida ao Verbo, subiu e está gloriosa à direita do Pai. Inseridos em Cristo, nós os cristãos, podemos e devemos continuar a edificar «escadas», «pontes» espirituais, movidos pelo amor, unindo terra e céu. E fazemo-lo, sobretudo, pela oração, verdadeira «escada», autêntica «ponte» alicerçada na fé e na imitação do Senhor.

 

(PEDROSO, Dário - Senhor ensina-nos a rezar. Braga:Editorial A.O.,1987)

publicado por ssacramento às 21:49
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 24 de Maio de 2009

Fazer milagres

Não podemos ficar a olhar para o céu, como os Apóstolos, que foram repreendidos por o fazerem. Ao partir, Jesus repartiu tarefas a serem postas em prática: expulsar demónios, falar línguas, correr riscos, curar doenças. Por outras palavras, resistir ao mal e vencê-lo com o bem; falar de forma credível e convincente, fazendo-se entender na transmissão da Boa Nova; não se deixar intimidar nem desanimar perante o ódio, a perseguição, os ataques e a intolerância; lutar contra todo o tipo de enfermidades, contra a miséria e injustiça; tentar modificar o que se achar ser possível mudar para melhor.

 

Com os pés bem assentes na realidade, vamos às tarefas entre os homens, sem esquecer nunca "o que vimos e ouvimos" (Act. 4,20) na intimidade com o Senhor. A confiança vem-nos da promessa de Jesus, no momento da sua despedida: "Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos" (Mt 28,20). 

 

 

(Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Maio/2008) 

publicado por ssacramento às 14:11
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Maio de 2009

Pedi e recebereis

"Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa".

 

Jesus incentiva-nos a pedir. Se Deus sabe todas as nossas necessidades, então porque é que havemos de pedir? Jesus diz-nos "para que a vossa alegria seja completa". É na conversa com o Pai, no seu sentido mais lato, que está a nossa alegria. É uma conversa na qual o Pai vai encostando a nossa alma cada vez mais à sua, até os nossos pedidos coincidirem com o que tem para nos dar.

 

 

(Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Maio/2009) 

publicado por ssacramento às 21:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Maio de 2009

5 minutos com Deus

No mundo, há mais coisas bonitas do que feias. Ora há uma possibilidade favorável ou desfavorável: as coisas boas podem ser pervertidas e as coisas más podem ser convertidas em boas. Portanto, está nas nossas mãos o haver mais beleza no mundo; primeiro se reconhecermos e valorizarmos as muitas coisas bonitas que já existem, e segundo, se nos esforçarmos por embelezar as coisas más que indubitavelmente também existem.

 

Esforçarmo-nos por embelezar, por tornar boas, todas as nossas acções, pensamentos, sentimentos, reacções e todo o nosso ser e vida, contribuirá para melhorar e embelezar o mundo. Vale mais acender um fósforo que maldizer a escuridão, acender uma fogueira do que queixarmo-nos do frio, fazer o bem do que perseguir o mal.

 

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

publicado por ssacramento às 23:45
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

O terço

Um instrumento tradicional na recitação do Rosário é o terço. No seu uso mais superficial, reduz-se frequentemente a um simples meio para contar e registar a sucessão das Avé-Marias. Mas, presta-se também a exprimir simbolismos, que podem conferir maior profundidade à contemplação.

 

A tal respeito, a primeira coisa a notar é como o terço converge para o Crucificado que, desta forma, abre e fecha o próprio itinerário da oração. Em Cristo, está centrada a vida e a oração dos crentes. Tudo parte d'Ele, tudo tende para Ele, tudo por Ele, no Espírito Santo, chega ao Pai. 

 

Como instrumento de contagem que assinala o avançar da oração, o terço evoca o caminho incessante da contemplação e da perfeição cristã. O Beato Bártolo Longo via-o também como uma “cadeia” que nos prende a Deus. Cadeia sim, mas uma doce cadeia; assim se apresenta sempre a relação com um Deus que é Pai. Cadeia “filial”, que nos coloca em sintonia com Maria, a «serva do Senhor» (Lc 1, 38) e, em última instância, com o próprio Cristo que, apesar de ser Deus, Se fez «servo» por nosso amor (Flp 2, 7).

 

É bom alargar o significado simbólico do terço também à nossa relação recíproca, recordando através dele o vínculo de comunhão e fraternidade que a todos nos une em Cristo.

 

 

(Adaptado da Carta Apostólica "Rosarium Virginis Mariae", João Paulo II; Imagem disponível em http://www.carmelo.pt/catalog/images/terco_madeira.jpg)  

publicado por ssacramento às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Maio de 2009

"Quem difunde o Rosário, salva-se"

Na Carta Apostólica dedicada ao tema "Rosário da Virgem Maria", João Paulo II salienta a sua " simplicidade e profundidade" como oração.

 

Apesar do Rosário ser caracterizado pela sua "fisionomia mariana" tem na sua essência Cristo. Este Papa revela como era importante para ele esta oração, tendo lugar fundamental na sua vida espiritual. Diz a título de confidência o seguinte: " O Rosário acompanhou-me quer na tristeza quer na alegria e nele encontrei sempre conforto". Duas semanas após a sua eleição em 1978 dizia: " O Rosário é a minha oração predilecta".

 

Com ele entramos em "comunhão viva com Jesus" por meio do "Coração de Sua Mãe". É o caminho privilegiado de contemplação. É o "caminho de Maria".

 

O Rosário é, pois, uma forma de nos proporcionar uma visão serena e uma palavra confiante na vida humana. O Beato Bàrtolo Longo, um " verdadeiro apóstolo do Rosário", dizia do fundo do seu ser: "Quem difunde o Rosário, salva-se".

 

 

(Adaptado da Carta Apostólica "Rosarium Virginis Mariae", João Paulo II)

 

 

 

 


publicado por ssacramento às 12:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 19 de Maio de 2009

5 minutos com Deus

Na vida, não é possível prescindir da cruz. Mas não nos iludamos imaginando cruzes extraordinárias. A cruz toma a forma das mil e uma circunstâncias diárias da nossa vida. O cumprimento dos nossos múltiplos deveres costuma ser uma cruz que pesa sobre os nossos ombros. O desempenho fiel das nossas obrigações familiares, profissionais ou cívicas; a prática sincera do amor para com todos, mesmo para com quem não nos é simpático; a disponibilidade para o serviço aos outros, mesmo à custa da nossa própria comodidade, para que eles estejam e se sintam bem; a aceitação das circunstâncias penosas que não buscámos mas que nos chegam, sem sabermos de onde nem porquê; tudo isto constitui muitas vezes uma cruz, pesada ou não, mas de facto uma cruz.

 

Feliz aquele que sofre e sabe para que sofre; feliz quem sofre para que os outros sofram menos. A verdadeira cruz cristã tem como braço vertical a tensão para o céu e como braço horizontal o esforço contínuo para melhorar a terra.

 

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

publicado por ssacramento às 15:33
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Jesus rezava longe do ruído

Folhear qualquer que seja o livro de Dário Pedroso, é entrarmos numa aventura de descoberta,  tentativa de compreender e desvendar o mistério de Deus. Ajuda-nos a ler, a meditar a Palavra de Deus ao sabor do silêncio, de forma a podermos escutar o que Deus tem para nos dizer.

 

Sim, porque não é no barulho, na azáfama do dia-a-dia, na correria desenfreada e por vezes sem sentido que temos o prazer de dialogar com Deus. É no recolhimento, é nesse prazer sublime da Contemplação, em que conseguimos "parar o tempo", é entrando num outro tempo que conseguimos ter o privilégio de ouvir o Senhor, de sentirmos as suas palavras.

 

Esta procura do silêncio e "encontrá-lo" é uma forma de conseguirmos que a nossa oração seja ouvida e sentida por Deus. O próprio Jesus rezava longe do ruído, como nos diz S.Marcos: "De madrugada, ainda escuro, levantou-se e saiu; foi para um lugar solitário e ali se pôs em oração (Mc 1,35)."

 

Temos, pois, de procurar o nosso lugar no silêncio, seja num banco de jardim, contemplando a sua obra, seja no interior recatado de uma igreja meditando as nossas tristezas, mas também as nossas alegrias, seja mesmo no aconchego do nosso lar, numa divisão despoluida de ruído. Desta forma, Jesus "entrará em nós", guiar-nos-á na nossa vida diária e conseguiremos ter tempo para tudo. Até para rezar!

publicado por ssacramento às 22:16
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Maio de 2009

Está em nós a alegria de Cristo?

Quinta-Feira,14 de Maio de 2009. O grupo bíblico reuniu-se à "volta da Palavra de Deus" tendo por base do estudo a "Lectio Divina" segundo uma estrutura mais simples:

  1. Leitura - O objectivo é responder à pergunta: O que diz o texto?
  2. Meditação - O que é que o texto me diz? A Meditação procura a verdade escondida.
  3. Oração - É a  nossa resposta a Deus. O que é que o texto me leva a dizer a Deus.
  4. Contemplação - Além de escutar, o texto impele-nos a  "saborear" e a agir. Vamos buscar o Ser ao próprio Deus e a inteligência leva-nos a investigar o Saber para depois Fazer. 

O grupo debruçou-se sobre o Evangelho de S. João (15, 9-17), o mandamento do amor. Foi feita a leitura do texto sagrado e cada um dos presentes interiorizou o texto e procurou interpretá-lo. Deste estudo sairam palavras tão importantes como: Amor, Fidelidade, Amizade e Alegria. O Amor é a palavra-chave. Ela é referida por cinco vezes. Jesus diz que se formos fiéis aos seus mandamentos permaneceremos no seu Amor. Esta Fidelidade leva-nos à amizade, palavra tão cara para Jesus quando nos diz: "Já não vos chamo servos, visto que um servo não está ao corrente do que faz o seu senhor; mas a vós chamei-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi ao meu Pai". Mas esta amizade conduz-nos à verdadeira alegria, na máxima acepção da palavra, quando Jesus diz: "Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa". 

Um dos presentes referiu a medida do amor de Cristo em relação a nós: "Assim como o Pai me tem amor, assim Eu vos amo a vós". Deus é amor e a  própria fonte do amor. O cristão é aquele que vive no Amor de Deus. Cada um dos presentes fez uma oração agradecendo a Deus pelo facto de, ao ler o texto, ter descoberto um significado mais profundo no que diz respeito às palavras Amor e Amizade. Palavras essas  que nos nossos dias se encontram tão banalizadas. Sugestivo foi o pedido de um catequista, a Deus, no sentido de o ajudar na sua acção junto dos jovens, a ensinar-lhes o verdadeiro sentido destas palavras.

E se nós fizessemos o que Jesus nos manda, "que vos ameis uns aos outros", não existiria naquele canto do mundo onde Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou, tanta guerra, tanto ódio, um défice tão grande de Amor, como salientou um membro do grupo. O encontro terminou com uma oração, conduzida pelo Sr. Padre Jorge, e a intenção de, no nosso dia-a-dia, sermos cristãos alegres, capazes de pôr em prática a Palavra de Deus.

publicado por ssacramento às 18:42
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Maio de 2009

Um ano a caminhar com São Paulo: "Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo?"

Segundo a concepção antropológica originária da Grécia antiga, o ser humano é composto de dois princípios que podem existir separadamente: a alma espiritual e imortal e o corpo material, em que a alma está encerrada até à morte. Nesta perspectiva, a vida no corpo era vista como um mal, com duas reacções extremas: o desregramento de costumes ou a ascese exageradamente rigorosa.

 

Paulo teve de confrontar-se com as duas atitudes entre os cristãos de Corinto, designadamente em relação à sexualidade. É que a mensagem cristã, ao proclamar a liberdade perante a Lei, e quando alguns cristãos diziam "Tudo me é permitido", justificavam a sua conduta moral afirmando estando possuídos pelo Espírito. A isso responde Paulo em 1Cor 6, 12-20, com o sentido cristão da sexualidade, inserindo-o numa teologia do corpo humano, que também é necessária ao Homem do presente.

 

Para Paulo, o corpo não é uma parte do ser humano separável da alma, mas formam uma unidade indissociável. É pela corporeidade que nos relacionamos, comunicamos, ultrapassando os limites e as limitações da nossa individualidade. Sem os outros, nem sequer eu chego a ser eu. O pior que pode acontecer a alguém é o individualismo.  

 

 

(OLIVEIRA, Anacleto - Um ano a caminhar com S. Paulo. Palheira: Gráfica de Coimbra, 2008)

publicado por ssacramento às 23:55
link do post | comentar | favorito
|

.Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Visite Pão e Vida

Visite Casa-Acolhimento Santa Marta

.Fuego Santo

.subscrever feeds

.pesquisar

 

.Visite

.posts recentes

. Maria...

. Mãe admirável

. Apóstolos S. Pedro e S. ...

. A boca do justo proclama ...

. Um "novo humanismo"

. Isabel e Maria

. Solenidade de S. João Bat...

. Eu vos dou graças, Senhor...

. Não perca hoje na nossa p...

. Os pais de Maria

. Não podemos aceitar que o...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

. Jesus fala aos meninos da...

. A Igreja Católica e o Ano...

. Educação Moral e Religios...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

.arquivos

. Dezembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Counters
Free Counter
blogs SAPO