Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

1ª Semana da Quaresma - Quarta-feira

Professar a Fé vencendo tentações
Excerto da Catequese Quaresmal do Bispo da Guarda, realizada a 25/02/2007

1. Estamos a iniciar a Quaresma e hoje subimos o primeiro degrau nesta nossa caminhada para a Páscoa. Caminhada que nós desejamos seja para progredir na formação da nossa Fé, seja para viver a conversão e a Penitência, seja principalmente para recentrar a nossa vida em Cristo morto e ressuscitado.

Neste esforço por renovar a Fé em caminhada quaresmal, sabemos que não estamos sozinhos e por sua vez a nossa verdadeira conversão a Jesus Cristo e ao Seu Evangelho tem que dar frutos de partilha fraterna que também há-de ser renúncia em favor dos outros, principalmente os mais necessitados.

(...)

A nossa Fé enraíza numa relação pessoal forte de cada um de nós com Deus revelado em Jesus Cristo. Jesus Cristo que nós queremos confessar na sua condição divina do Senhor; Jesus Cristo que ressuscitou dos mortos como primícias da ressurreição universal e da total transformação do mundo em Reino de Deus.

Esta relação forte com Jesus Cristo na Fé conduz à salvação eterna, como diz S. Paulo, mas também e primeiro que tudo produz na nossa vida quotidiana abundantes frutos de Justiça. Isto significa que um dos critérios para avaliar a autenticidade da nossa Fé em Deus Pai e em Jesus Cristo Seu Filho, na força do Espírito, são os frutos de Justiça e caridade que existem ou não existem no nosso viver de cada dia. É esta também uma avaliação que queremos fazer de nós mesmos ao longo da Quaresma. De uma coisa estamos certos, sintonizando com o apóstolo S. Paulo: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo, o que significa que a Salvação de Deus em Nosso Senhor Jesus Cristo é para todos, não havendo, por isso lugar, para qualquer acepção de pessoas na intenção e na prática do mesmo Deus.

Hoje para nós não está a ser fácil viver a Fé como para Jesus também não foi fácil cumprir a Sua Missão; Missão que o próprio Pai lhe confiou.

(...)

De facto vivemos hoje numa cultura cujas raízes são profundamente cristãs e impregnadas de muitas tradições religiosas seculares e mesmo milenares, mas que estão a ser muito abaladas. E abaladas pela introdução de novos hábitos, de novos critérios de comportamento que muitas vezes não dignificam ou mesmo não respeitam as pessoas na sua autêntica verdade. Fazer a profissão de Fé nas circunstâncias actuais implica necessariamente dar nova vida a um mundo descristianizado, afastado da prática cristã, no qual, muitas vezes, as únicas referências cristãs são de ordem cultural, sejam as procissões dos passos ou da Semana Santa, seja o amentar das almas, sejam as via-sacras públicas, sejam as festas populares dos Santos ou outras. (...)

A Quaresma (...) é tempo especialmente propício para nos perguntarmos como cristãos e como comunidades cristãs sobre as formas de tornar a mensagem cristã acessível às novas culturas, isto é aos novos modelos actuais da inteligência e da sensibilidade. A Quaresma é tempo de exame de consciência, para nos perguntarmos sobre as novas formas de fazer compreender Cristo e a Sua Mensagem ao espírito moderno, que se apresenta grandemente orgulhoso com as suas extraordinárias descobertas e realizações, mas também com sinais de profundas humilhações por não conseguir resolver os problemas fundamentais das pessoas e assim lhes não poder transmitir razões que consigam fortalecer a esperança no futuro da família humana.

Ao procurarmos viver e aprofundar a nossa fé no contexto cultural da actualidade cheio de muitas contradições como todos os dias constatamos, queremos, antes de mais, assumir com coragem as nossas responsabilidades de cidadãos e de cristãos. E entre essas responsabilidades nós vemos o necessário contributo da Fé em Jesus Cristo morto e ressuscitado para restituir a cada ser humano a sua dignidade de criatura "à imagem e semelhança de Deus", subtraindo-o, quanto possível, à tentação antropocêntrica de se considerar independente do criador. É esta sem dúvida a grande tentação do mundo actual secularizado que continua a pretender levar a sua autonomia até ao limite desumanizante de negar o próprio Deus. Este é o grande drama do nosso tempo e a verdadeira raiz da crise das culturas na actualidade.

A nossa profissão de Fé no meio de um mundo assim é também dizer às pessoas onde está a raiz do seu valor e da sua dignidade – está em serem imagem e semelhança de Deus; e que as culturas serão tanto mais humanas e humanizantes quanto mais conseguirem traduzir esta dimensão transcendente dos seres humanos.

A nossa Profissão de Fé, num mundo assim, envolve também a coragem de intervir socialmente e na opinião pública para denunciar e tentar corrigir formas de cultura que agridem sentimentos e dimensões da pessoa humana que são fundamentais. Temos que saber dizer às pessoas que elas não foram criadas à imagem da cultura ou das culturas do seu tempo, portanto não podem ser prisioneiras de modelos de comportamento humano e social que lhes estão a ser impostos por essas culturas e frequentemente em contradição com as suas aspirações mais profundas.(...)

Ao pretendermos professar a nossa Fé no palco da vida social da actualidade para serviço ao mundo e às pessoas que o habitam, temos de evitar ceder também nós a qualquer das seguintes duas tentações. Uma delas é adaptarmos o nosso comportamento aos modelos sociais e à mentalidade dominantes só para sermos modernos, actualizados, prejudicando, assim a fidelidade aos valores da Fé e a valores humanos fundamentais. A outra é pretendermos continuar agarrados às linguagens do passado sobre a Fé, querendo ignorar que a história avança e que as realidades humanas actuais que a nossa Fé tem de saber iluminar de forma significativa são diferentes das do passado. Só a catequese integrada na formação permanente da Fé nos pode ajudar a superar com êxito estas duas tentações, como Cristo também soube vencer as tentações no deserto.

Guarda, 25 de Fevereiro de 2007,

+Manuel da Rocha Felício, Bispo da Guarda

http://www.agencia.ecclesia.pt/noticia.asp?noticiaid=43295
publicado por ssacramento às 21:16
link do post | comentar | favorito
|

.Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Visite Pão e Vida

Visite Casa-Acolhimento Santa Marta

.Fuego Santo

.subscrever feeds

.pesquisar

 

.Visite

.posts recentes

. Maria...

. Mãe admirável

. Apóstolos S. Pedro e S. ...

. A boca do justo proclama ...

. Um "novo humanismo"

. Isabel e Maria

. Solenidade de S. João Bat...

. Eu vos dou graças, Senhor...

. Não perca hoje na nossa p...

. Os pais de Maria

. Não podemos aceitar que o...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

. Jesus fala aos meninos da...

. A Igreja Católica e o Ano...

. Educação Moral e Religios...

. Morte e Vida: Perspetiva ...

.arquivos

. Dezembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Counters
Free Counter
blogs SAPO