Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Uma figura bíblica: Pôncio Pilatos

27.02.08 | ssacramento
Em 1961, numas escavações arqueológicas de Cesareia Marítima foram encontradas algumas moedas romanas (dos anos 29 a 31), bem como uma pedra com uma inscrição dedicada ao imperador romano Tibério César, mandada fazer pelo Prefeito da Judeia, Pôncio Pilatos. Mas, afinal, quem foi Pôncio Pilatos?

Fora do Novo Testamento e das fontes cristãs, há notícias de Pilatos em Filão de Alexandria, Tácito e Fávio Josefo. Quanto ao Novo Testamento, o nome de Pilatos aparece nos quatro Evangelhos, nos Actos dos Apóstolos e na 1ª Carta a Timóteo, mas apenas duas vezes surge como sendo Pôncio Pilatos (Mt 27,2 e Lc 3,1). Em Mateus e Lucas é designado pelo título genérico de "governador". Este cargo dava-lhe funções judiciais, fiscais e militares numa circunscrição de segunda categoria (Judeia, Samaria e Idumeia). Os governadores eram nomeados por três anos, mas o imperador Tibério resolveu prolongar os mandatos para evitar os excessos de ganância e enriquecimento num curto espaço de tempo. Assim, Pilatos exerceu este cargo durante 10 anos (entre 26 e 36), sendo o 5º governador da Judeia (o 2º no tempo de Tibério), sucedendo a Valério Grato.

A sua residência oficial era em Cesareia, cidade reconstruída por Herodes, o Grande, em honra de César. Deslocava-se a Jerusalém por ocasião das festas judaicas, para controlar mais facilmente as insurreições populares, então frequentes. Em Cesareia e nas principais cidades tinha uma guarnição militar com tropas recrutadas nas regiões vizinhas da Judeia.

Pilatos seria casado e o Evangelho de S. Mateus (26,19) relata a intervenção da sua mulher a favor de Jesus. Quanto as Apócrifos, dizem que a esposa se chamaria Cláudia Prócula (a Igreja Ortodoxa Grega celebra-a como santa a 27 de Outubro; a Igreja Etiópica Ortodoxa celebra-a a 25 de Junho, juntamente com Pilatos a quem também considera santo).


(Artigo de Geraldo Morujão, In Revista Bíblica Jan/Fev 2008)