Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Pôncio Pilatos, um governador controverso

28.02.08 | ssacramento
Desde o início do seu mandato, Pôncio Pilatos apresentou um estilo governativo diferente dos romanos (estes, geralmente, respeitavam a cultura dos povos dominados e a sua sensibilidade religiosa). Deste modo, pela calada da noite, fez introduzir em Jerusalém os estandartes romanos com a efígie do imperador, tendo como consequência os protestos da multidão, à porta da sua casa, durante cinco dias e que teve como fim a retirada dos ditos estandartes da Cesareia.

Pilatos também usou o dinheiro do tesouro do Templo na construção de um aqueduto para abastecer de água Jerusalém e, claro, surgiu uma nova revolta popular que foi reprimida de forma violenta e ardilosa (os soldados disfarçaram-se e introduziram-se no meio da multidão). Lucas refere que Pilatos misturou o sangue de uns galileus com o sangue dos sacrifícios que eles ofereciam ( Lc 13,1), sinal de violência mas também de desrespeito pelo Templo.

A machadada final foi dada com a sangrenta repressão dos samaritanos, que tinham seguido um pretenso revolucionário no monte Garizim. Os samaritanos recorreram ao legado da Síria, Lúcio Vitélio, que retirou Pilatos e o enviou a Roma para que o caso fosse analisado por Tibério (este morreu e sucedeu-lhe Calígula). Segundo Eusébio (século IV), Pilatos caiu em desgraça do novo imperador e suicidou-se. A verdade é que a partir da demissão nada se sabe ao certo sobre Pôncio Pilatos.

Muitas lendas envolvem o final da vida de Pilatos, numa tentativa para ilibar a sua figura, talvez com o objectivo de reduzir a culpa da autoridade romana na morte de Jesus. Entre os vários escritos apócrifos relativos a Pilatos, o mais célebre é o Evangelho de Nicodemos ou Acta Pilati, escrito em meados do século IV, em que Pilatos se converte com as declarações dos guardas do sepulcro acerca da ressurreição e resolve escrever uma carta a Tibério exaltando a pessoa de Jesus.


(Artigo de Geraldo Morujão, In Revista Bíblica Jan/Fev 2008)