Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Oração no dia de S. João Bosco

"Deus amável,

que suscitaste, na Igreja,

homens como São João Bosco,

hoje celebrado,

continua a abrir-nos à sabedoria pedagógica

que sempre inspiras.

 

Te louvamos pela renovação social

operada pelos mestres,

atentos à realidade profissional,

capazes de prevenir os erros,

educadores pela amabilidade fraterna.

 

Tu, que nos educas,

com a pedagogia exigente da santidade,

conduz os nossos actos à beleza da tua proposta."

 

 

(AZEVEDO, Carlos A. Moreira - Ao Deus de todas as manhãs.Prior Velho: Paulinas, 2007; Imagem disponível em http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/03/San_Giovanni_Bosco.jpg)

"Jovens plenos são jovens santos"

Todos querem ser jovens, permanecer jovens, e mascaram-se de jovens se a juventude já passou. O futuro é cheio de promessas… Para sermos sinceros, o futuro também é obscuro, cheio de ameaças: encontrarei trabalho? Casa? Amor? Por isso, muitos querem parar o tempo, receando um futuro vazio. Querem consumir imediatamente todas as belezas da vida.
 

Então, é importante escolher as promessas verdadeiras, que abrem ao futuro, também com renúncias; escolher bem, e não destruir o futuro. E a opção fundamental é por Deus, que é, com Jesus Cristo e o Espírito Santo, luz e companhia no caminho.

 

Ser jovem é ser bom e generoso. E a bondade, a beleza e o bem em pessoa é Jesus Cristo, Aquele que o nosso coração procura sem cessar. Ele é o Amigo que nunca trai, pois é fiel até dar a vida na cruz por nós. Poderia Ele trair a nossa confiança, guiar-nos por veredas erradas?

 

Mas como podeis ser amigos de Quem não conheceis? O conhecimento leva ao amor e o amor estimula o conhecimento. Para entrardes em amizade com Cristo, para O ter como companheiro da vida, deveis, antes de mais, conhecê-Lo, entrar numa relação pessoal. Isto exige conhecer as Escrituras, sobretudo os Evangelhos, onde o Senhor fala convosco, individualmente. Este diálogo com o Senhor deve ser também uma oração em comunhão na grande comunidade que é a Igreja, através dos sacramentos, nomeadamente a Eucaristia e a Reconciliação. Depois, só conhecendo pessoalmente Jesus podeis comunicar esta amizade aos outros, através da caridade.

 

 

(Papa Bento XVI, Revista Audácia, Outubro/2008)

 

Eu te louvo, ó Deus,

rochedo da minha vida,

ponto firme para o regresso

dos passos vagabundos

desta mente dispersa...

 

Neste dia,

solidifica a minha pouca fé!

Neste dia,

aguenta na confiança o teu povo!

Sustentados pela fé uns dos outros

aproximamo-nos da força invencível e inquebrantável

dos que aceitaram corajosamente a tua vontade.

 

Por mais sinais de instabilidade

que nos entrem pelo olhar

e pela vibração interior,

sê Tu, Deus eterno,

a raiz segura para crescermos

na certeza do Teu amor,

sempre presente.

 

 

(AZEVEDO, Carlos A. Moreira - Ao Deus de todas as manhãs.Prior Velho: Paulinas, 2007)

Sejamos Marianos

Foi Paulo VI que afirmou em 24.04.1970: " Se quisermos ser cristãos de verdade, temos de ser marianos." Maria de Nazaré teve a alegria de ser mãe sem deixar de ser virgem. Nem antes nem depois dela se viu semelhante prodígio. Dela, e só dela, recebeu Jesus Cristo a natureza humana. Ocupa um lugar fundamental e único no cristianismo.

 

A dimensão mariana da nossa vida cristã, mais do que importante, é necessária, imprescindível, inevitável. O nosso amor a Maria faz parte do nosso amor a Cristo. Se Ele nos manda amar todos os membros do seu Corpo místico, como não havemos de estremecer, primeiramente, Aquela que o gerou? A devoção à Virgem Maria, além de extremamente agradável a Jesus, é de grande fecundidade para nós.

 

Quanto mais alguém se chega para junto de um braseiro, tanto mais sente o calor que ele irradia - reflectia São Tomás de Aquino. Maria, a criatura mais próxima da humanidade de Jesus, recebeu dele, naturalmente, uma graça superior à de todas as outras criaturas.

 

 

(Revista Stella, Janeiro/Fevereiro 2009)

Um ano a caminhar com São Paulo: "Sois concidadãos dos santos e membros da casa de Deus"

Em Ef. 2,11-22, Paulo mostra como a Igreja adquiriu os qualificativos de una, santa, católica e apostólica, e o contexto em que é possível fazer deles o objecto da nossa fé. De um passado de exclusão dos gentios do povo de Deus, passou-se a um presente de plena integração numa Igreja una. No centro está o processo salvífico de unificação, santificação e alargamento à escala mundial, levado a cabo por Cristo, sob mediação apostólica.

 

A intervenção salvífica de Cristo converge para a paz. Cristo é mesmo chamado "a nossa paz", porque, contrariamente aos habituais mediadores da paz, não se limitou a unir os dois povos em litígio (gentios e israelitas), mas destruiu as armas da inimizade: os mandamentos e prescrições da Lei judaica foram destruídos com a morte na cruz de Cristo. Ao contrário dos outros mediadores de paz, Cristo criou em si próprio um só homem novo, deixando de haver dois povos rivais. As diferenças que os distinguiam, passaram a estar ao serviço da complementaridade que une os membros do mesmo corpo. Contrariamente aos outros pacificadores, que se retiram após a reconciliação, Cristo permanece no homem novo por Ele criado.

 

A unidade de uma só Igreja é expressa por duas imagens: a primeira é de ordem sócio-económica (constituímos uma só comunhão, em que o estrangeiro se torna concidadão dos santos, de imigirante passamos a membros da casa de Deus); a segunda vem da arquitectura (a consistência do edifício em que nos integramos deve-se ao seu fundador, Cristo vitorioso sobre a morte). A Igreja nasce do anúncio feito pelos Apóstolos, testemunhas oculares, e pelos Profetas, espécie de intérpretes do Evangelho. Mas é da comunhão trinitária que vem a nossa comunhão em Igreja. 

 

  

(OLIVEIRA, Anacleto - Um ano a caminhar com S. Paulo. Palheira: Gráfica de Coimbra, 2008)

Sobre o Evangelho de hoje

A palavra "Evangelho" é um vocábulo grego que significa boa notícia. Trata-se, pois, de uma mensagem que é causadora de alegria. Nos tempos de Jesus, as notícias corriam de boca em boca. Em casos especiais, eram apregoadas por um mensageiro, que as proclamava perante um público mais numeroso.

 

O Evangelho de hoje apresenta-nos Jesus a transmitir aos seus ouvintes a boa notícia de Deus, que no Filho e pelo Filho, intervém no mundo. Narra-nos o chamamento dos primeiros Apóstolos: Pedro e André, Tiago e João. Jesus viu os dois pares de irmãos e interpelou-os com um convite aliciante. Eles não resistiram ao fascínio daquele olhar, que neles despertou a confiança. Um olhar de amor que é revelador do Amor do Pai pelos homens. Essa é a Boa Notícia que Jesus apregoa, com palavras e com a vida. E tudo mudou naquelas vidas. Ainda nos alimentamos dos frutos do sim que deram os vocacionados da primeira hora.

 

Vocação é experiência do amor vivido, de amor recebido, a que se dá resposta de amor recíproco. Para mudarmos de vida, de forma radical, o único caminho é vivermos de acordo com as palavras do Evangelho, da Boa Notícia. Só vivendo-as, veremos que são palavras de vida e que conduzem à Vida.

 

(Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Janeiro/2009)

 


 

 

Neste ano paulino, as leituras de hoje são adaptadas à festa da conversão de S. Paulo, que hoje se celebra. Na Folha Pão e Vida nº 491, pode encontrar uma reflexão sobre a importância deste acontecimento para a vida da Igreja.

Vaticano está no YouTube

O Vaticano já está no YouTube, disponibilizando dois canais:

  • um, onde se encontram as principais actividades do Papa Bento XVI e dos eventos mais importantes do Vaticano. Está em italiano, inglês, espanhol e alemão, e pode ser consultado em http://www.youtube.com/vatican;

 

  • o outro, é  um serviço de informação católica sobre a vida da Igreja e dos acontecimentos actuais, onde se partilha diariamente a informação católica de todo o mundo. Trata-se do H2ONews, disponível também em português. Pode ser consultado em http://www.youtube.com/h2onews.

 

 

S. Francisco de Sales

S. Francisco de Sales, bispo e doutor da Igreja, nasceu num solar do ducado da Sabóia. De sangue aristocrático, fez estudos superiores em Paris, tendo-se doutorado em Pádua. Seguiu a vida sacerdotal, depois de ter renunciado ao senhorio paterno, contra vontade de familiares. Ofereceu-se para trabalhar numa zona calvinista.

 

Fazia as viagens a pé e passava longas horas diante do crucifixo, afirmando que "as almas conquistam-se de joelhos" e era tal a sua amabilidade e mansidão que convencia os mais obstinados. Aos 35 anos foi sagrado bispo de Genebra. Apoiado pela baronesa de Chantal, fundou a Ordem da Visitação. Escreveu livros de espiritualidade como "Introdução à Vida Devota", "Cartas" e "Tratado do Amor de Deus". Pio IX proclamou-o doutor da Igreja e patrono dos Jornalistas.

 

(Adaptado de DIAS, António J. - Arautos da Santidade. Vida dos Santos. Lisboa: Editora Rei dos Livros,2001)

 

Meditando o Evangelho de hoje

"Estabeleceu doze para andarem com ele". Jesus não quer trabalhar sozinho. Se houvesse alguém que tivesse tudo quanto fosse preciso para exercer sozinho o poder, seria ele; mas não quis: "Chamou-os para andarem com Ele".

 

Segui-lo, é entrar numa equipa. Nesta equipa, Jesus quis a maior diversidade. Dá que pensar aqueles que só querem grupos homogéneos e afastam as pessoas originais ou contestatárias. Jesus cria um grupo turbulento. Repreende-os quando têm inveja uns dos outros, mas ama esses homens cheios de vida.

 

Surpreende o nosso igualitarismo com as suas nítidas preferências. Com Pedro, o impulsivo, mas com quem pode contar, e com Tiago e João, formará um trio de intímos.

 

Meditar nesta equipa de Jesus pode ajudar-nos a inserir-nos melhor na vida colectiva. Não ser um chefe demasiado solitário, aceitar companheiros de equipa muito diferentes de nós, admitir que nem todos somos confidentes do chefe. O que para os Doze foi essencial, foi terem vivido três anos numa total familiaridade com Jesus. Faz-nos sonhar... Mas quem nos impede de ser hoje um dos seus companheiros?

 

 

(SÈVE, André - O Evangelho dia a dia. Coimbra: Gráfica de Coimbra, 1999)

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D