Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Blogue da Paróquia do Santíssimo Sacramento

Jesus seguiu o caminho da caridade

Só os peixes mortos vão com a corrente... Oposição, resistência, agir segundo convicções bem fundamentadas, exige coragem e é sinal de vitalidade. Disso deu exemplo e testemunho Jeremias (1ª Leitura).

 

Jesus foi expulso da sua própria terra,  ameaçado de morte. «Mas Jesus, passando pelo meio deles, seguiu o seu caminho». Com Jesus, devemos aprender a ir-nos embora sem ressentimento, mas com os pés bem assentes no solo da fé e da confiança, como uma árvore de raízes firmes.

 

Também é verdade que há coisas em que nos assemelhamos aos habitantes de Nazaré, que aplaudiram e expulsaram o Senhor: somos selectivos, isto é, só ouvimos o que gostamos de ouvir. Temos que permitir a Jesus que nos ensine uma coisa e outra: o que espontaneamente nos toca, agradando-nos, e o que nos parece estranho e difícil de aceitar.

 

Que possamos dizer com verdade: foi d'Ele que aprendi, sem Ele não chegaria lá. A caridade que Jesus tanto apregoou, pôs em prática e «levou até ao extremo» (Jo 13, 1) é de facto um dos maiores ensinamentos de Jesus. S. Paulo na leitura de hoje diz-nos: «Agora permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e a caridade; mas a maior de todas é a caridade».

 

(Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Janeiro/2010)

A "Vida oculta" de Jesus - II

A primeira coisa que fizeram os pais  com o Menino Jesus, pouco depois do seu nascimento, foi dar-lhe um nome. Isto realizava-se no meio de uma alegre cerimónia, celebrada no oitavo dia, como ordenava o Génesis (17,12), e perante várias testemunhas.


O nome que José e Maria lhe puseram foi Yehoshua, que em hebraico significa Josué. Pela Bíblia sabemos que na Palestina esse nome costumava ser abreviado e pronunciar-se Yeshua, por razões de familiaridade. Por sua vez, na Galileia, onde se falava de um modo diferente do resto do país, e onde vivia a Sagrada Família, abreviava-se ainda mais e pronunciava-se Yeshu. Por isso, os primeiros cristãos de origem grega traduziram-no mais tarde por Jesus.


O nome de Yeshua, no século I, era um dos mais comuns e normais de então. Assim o vemos, por exemplo, no escritor Flávio Josefo, que nas suas obras menciona mais de 20 pessoas que se chamavam Jesus na história judaica; das quais, pelo menos 10 são contemporâneas de Jesus de Nazaré.


Em hebraico, Jesus (ou Josué) significa "Deus salva". E não puseram esse nome apenas em homenagem ao comandante hebreu Josué, mas porque, segundo  Mateus, um anjo disse a S. José: «dar-lhe-ás o nome de Jesus, porque Ele salvará o seu povo dos seus pecados» (Mt 1,21).


(Artigo de Ariel Álvarez Valdés, in Revista Bíblica - Jan/Fev. 2010; Imagem disponível na Internet)

5 minutos com Deus

Todos nós aborrecemos a guerra e somos partidários da paz; mas uma coisa é ser partidário da paz e outra é ser construtor da paz, difusor da paz. Queremos a paz no mundo, mas é impossível implantar a paz no mundo se primeiro não reina a paz na nossa pátria; por sua vez, a paz na pátria alicerça-se na paz nas famílias. Mas também é utópico pretender a paz na família se cada um de nós não gozar de paz no seu íntimo.

 

Só o Homem pacífico consigo próprio pode ser pacífico com os outros. Para ser pacífico, porém, é preciso ser um Homem de boa vontade, pois só aos homens de boa vontade foi prometida a paz. Mas lembremo-nos de que não podemos ser homens de boa vontade se não formos homens de Deus, se não cumprirmos sempre e em tudo a vontade de Deus.

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

Bíblia para os nossos dias

Na sinagoga de Nazaré, Jesus lê e comenta um texto do profeta Isaías, escrito mais de 500 anos antes. Desde a presença de Jesus na terra, já lá vão mais de dois mil anos. Apesar disso, os ensinamentos bíblicos continuam actuais. Jesus soube traduzi-los para os seus ouvintes. Nós precisamos de os saber aplicar, devidamente interpretados, aos nossos dias. Não se trata de velhas histórias de tempos imemoriais, hoje ultrapassadas.

 

"Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir", disse Jesus, séculos depois de ela ter sido escrita. Porque Ele a traduziu em vida, ao anunciar  a Boa Nova aos pobres, ao intervir para libertar todo o tipo de cativos, ao dar vista aos cegos, ao dar atenção aos oprimidos. Hoje, somos pobres, de um outro modo, frágeis e necessitados de auxílio; hoje, somos cegos, incapazes de reconhecer o nosso estado, não dispostos a seguir, com fidelidade, a nossa vocação. Do encontro com Cristo recebemos a libertação, olhos novos, coragem para recomeçar a crer e confiar. Antes de mudar o mundo, tem de mudar a pessoa individual. Curados, perdoados, encorajados por Ele, através da Palavra e do sacramento, podemos perdoar, alumiar, dar ânimo aos irmãos.

 

(Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Janeiro/2010)

A "Vida oculta" de Jesus - I

Todos sabemos o que Jesus fez durante os três anos da sua vida pública. Mas o que fez durante os mais de 30 anos anteriores? O que sabemos desse longo período é um episódio que sucedeu aos 12 anos, quando Ele se perdeu em Jerusalém durante uma festa da Páscoa, e como José e Maria o encontraram «no templo, sentado entre os doutores a ouvi-los e a fazer-lhes perguntas. Todos quantos o ouviam, estavam estupefactos com a sua inteligência e as suas respostas» (Lc 2,46-47). Mas, imediatamente a seguir, o Evangelho diz que regressou para Nazaré e o véu do mistério desce de novo ocultando todas as suas actividades durante os 20 anos seguintes.


No entanto, o Evangelho de S. Lucas proporciona duas pistas. A primeira, depois de narrar a apresentação do menino Jesus no Templo de Jerusalém, poucos dias depois de ter nascido, diz que José, Maria e o menino «regressaram à Galileia, à sua cidade de Nazaré. Entretanto, o menino crescia e robustecia-se, enchendo-se de sabedoria, e a graça de Deus estava com Ele» (Lc 2,39-40). Portanto, o evangelista informa-nos claramente que Jesus passou os anos seguintes da sua vida na povoação de Nazaré, onde experimentou um desenvolvimento físico, intelectual e religioso, como qualquer menino da sua idade.


A segunda, depois de contar que o menino Jesus se perdeu aos 12 anos na cidade de Jerusalém e foi encontrado no Templo, diz que «desceu com eles, voltou para Nazaré e era-lhes submisso. (...) E Jesus crescia em sabedoria, estatura e em graça, diante de Deus e dos homens» (Lc 2,51-52).


Isto é confirmado por um episódio no Evangelho de Marcos. Quando Jesus pregou pela primeira vez na sinagoga de Nazaré, os aldeãos galileus, ao ouvi-lo, encheram-se de assombro e disseram: «De onde é que isto lhe vem e que sabedoria é esta que lhe foi dada? Como se operam tão grandes milagres por suas mãos? Não é Ele o carpinteiro, o filho de Maria?» (Mc 6,2-3).


Se Jesus não saiu de Nazaré durante a sua infância e a sua juventude (além das suas peregrinações a Jerusalém, ou de alguma viagem ocasional a alguma povoação vizinha), que fez em todos esses anos? Apesar disso, é possível saber-se algo mais, graças aos descobrimentos arqueológicos e literários que actualmente possuímos.



(Artigo de Ariel Álvarez Valdés, in Revista Bíblica - Jan.-Fev. 2010; Imagem disponível na wikipedia)

A Família, um património da Humanidade

"A propósito da Bodas de Caná, de que nos fala hoje o Evangelho de S. João, transcrevemos o nº 1603 do Catecismo da Igreja Católica:


«A íntima comunidade da vida e do amor conjugal foi fundada pelo Criador e dotada de leis próprias. O próprio Deus é o autor do património» (GS 48). A vocação para o matrimónio está inscrita na própria natureza do homem e da mulher, tais como saíram das mãos do Criador. O matrimónio não é uma instituição puramente humana, apesar das numerosas variações a que esteve sujeito no decorrer dos séculos, nas diferentes culturas, estruturas sociais e atitudes espirituais. Tais diversidades não devem fazer esquecer os traços comuns e permanentes. Muito embora a dignidade desta instituição nem sempre e nem por toda a parte transpareça com a mesma clareza, existe, no entanto, em todas as culturas, um certo sentido da grandeza da união matrimonial. Porque «a saúde da pessoa e da sociedade está estreitamente ligada a uma situação feliz da comunidade conjugal e familiar» (GS 47)."

 

(Folha Pão e Vida, nº 538; Imagem disponível na Wikipedia)

5 minutos com Deus

Todos temos muito boa vontade. Apesar disso ofendemo-nos mutuamente, ferimo-nos uns aos outros, porque não temos nem os mesmos gostos, nem as mesmas inclinações, nem a mesma maneira de ser. Daí a necessidade, que nos urge, de sermos mutuamente compreensivos, de sabermos compreender, de dissimularmos o que nos magoa, de perdoarmos, de esquecer agravos, de não sermos excessivamente susceptíveis.

 

Quem perdoa é digno de ser perdoado: com a medida com que medirdes, sereis medidos. Quem compreende com facilidade será facilmente compreendido. Quem é bom para com todos, conseguirá que todos sejam bons para consigo. Quem ama, será amado. Quem não ama ninguém, não estranhe que ninguém o ame; não estranhe e não se queixe; não se queixe e não deite as culpas aos outros, pois é ele o culpado, o causador da frieza que nota à sua volta.

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

Aberto e nunca fechado

O livro "Jesus de Nazaré", do Papa Bento XVI, é não só de uma riqueza incomensurável, mas também de uma oportunidade única para os dias em que vivemos. Senão vejamos.

 

"Naturalmente pode-se perguntar por que motivo Deus não terá criado um mundo onde a sua presença seja mais evidente; por que razão Cristo não terá deixado atrás de si um esplendor tal da sua presença, que fascine todo e qualquer um de modo irresistível."

 

Se assim fosse tudo seria diferente. Mais fácil e todos acreditariam. Não era preciso ter Fé...Mas deixemo-nos destas considerações de um leigo e continuemos a meditação destas palavras para entrarmos no interior do pensamento de sua santidade:

 

"Trata-se do mistério de Deus e do homem, no qual não podemos penetrar. Vivemos neste mundo, onde precisamente Deus não tem a evidência de algo que se possa tocar com a mão, mas só pode ser procurado através do ímpeto do coração, o «êxodo» do «Egipto»."

 

O difícil torna-se "fácil". A chave de abertura da porta para Cristo está na Bondade que cada um de Nós transmite ao seu semelhante. O nosso coração terá de ser arrojado, tolerante mas firme nas nossas convicções cristãs, a placa tem de ser esta: Aberto e nunca fechado. Continuemos fluindo na mensagem que as palavras finais nos reserva Bento XVI.

 

"Neste mundo, temos de opor-nos às ilusões de falsas filosofias e reconhecer que não vivemos só de pão, mas primariamente da obediência à palavra de Deus. E somente onde esta obediência for vivida é que nascem e crescem aqueles sentimentos que permitem remediar também pão para todos."

 

O amor ao próximo só pode gerar mais e mais amor. É como uma bola de neve  que uma criança deita de cima de um monte . Cresce, cresce...

 

 

(J.S.; Imagem disponível em http://www.buques.com.br/fotos/ixora.jpg)

5 minutos com Deus

Com um ideal na tua vida, sentir-te-ás mais feliz e caminharás mais seguro na vida. Um ideal que polarize todos os teus esforços e pensamentos; um ideal que seja o mastro principal da nave na tua vida. O ideal, mesmo que nunca chegues a alcançá-lo, far-te-á sempre bem, porque, ao fim e ao cabo, o ideal consiste em tender sempre para a frente.


Um ideal que se alcança deixa de ser ideal e deve ceder o lugar a outro verdadeiro ideal ainda não alcançado. O homem sem ideal é um viajante sem bússola. Os homens sem ideal são um rebanho sem pastor e sem caminho. Perder o ideal é perder o rumo, e perder o rumo é expor-se à perda de tempo e de esforços, a deparar-se em última instância com a desilusão. É expor-se a que o cansaço se apodere da vida e então a vida deixa de ter sentido; já não se vê por quê e para quê continuar em frente.

 

(MILAGRO, Alfonso - Os cinco minutos de Deus. Cucujães: Editorial Missões, 2005)

As Janeiras cantadas à porta da nossa Igreja

No passado fim-de-semana, o Rancho Folclórico da Escola Infante D. Henrique, o Grupo de Escuteiros 449 e o Grupo Coral do Santíssimo Sacramento cantaram ao Menino no final das eucaristias das 19 horas. Desta forma, estão a fazer o ANÚNCIO para a Missão 2010, conforme o programa apresentado pelo bispo do Porto.

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D